23 outubro 2015

Acrilic On Canvas







Não desejo qualquer tipo de concretização da minha paixão platônica.
Talvez deseje, mas não queira.
O que eu quero é deixar sua imagem imaculada.
Pode soar como uma brincadeira fútil aos ouvidos das pessoas.

Deve ser esse cabelo e a cara de roqueiro louco que incentivam a minha imaginação. Nos falamos pouco uma vez. A tua voz. Um detalhe para o roteiro se tornar mais convincente na minha mente. Só.
Acho que nem lembro mais.

O charme cultural que te embeleza, ganhando poder e me tirando do sério a cada dia de pensamento. Posso pecar quando te defino como alguém que é. Às vezes penso te olhar e ver a expansão da áurea em teu entorno e percebo que és o tipo de ser que não aceita estereótipos. Vai sendo e sempre.

O problema nasce quando sou eu quem faz esse teu desenho.

Você pode ser um camaleão da música que compõe a trilha sonora da minha vida.
Você pode ser quem ama num espaço ilimitado.
Você pode ser o receptor quase ideal do meu eu.

Mas eu vou deixar o “ser” preso dentro do mundo das não possibilidades. Porque talvez o ser não caiba em você.


Sejamos mais amáveis. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala aí...